AÇÃO DA RMNR – A DISPUTA É NO SUPREMO